O conto do ponto

Eliane Santana (Elyninphadora)
2 min readMar 7, 2021

Lá vai ela correndo para bater o ponto.

De repente, mais um correndo enlouquecido, para quê? Bater o ponto.

Não sei não! Acho que essa crônica defenestrada deveria se chamar “O proletariado”, afinal quem além de nós poderia escrever algo assim?

A elite não bate ponto; nunca precisou. Mas, a massa grandiosa que move os motores denotativos e conotativos desse país já o fazem desde os grilhões do império — infelizmente, com poucas mudanças para nós. O ponto é a nova corrente do escravo.

Lá se vai mais um trabalhador correndo contra o relógio do tempo pendurado entre a escada, o corredor e o elevador… Aparentemente, inofensivo. Só Deus sabe quantas vidas sob seu controle metódico, silencioso, sádico.

Pense flexivelmente; vai dizer isso pro ponto. Final do mês vem o argumento indiscutível que não só te desconta o salário como automaticamente suga a pouca vida que te resta quando chega o contracheque. Ah, desculpa: holerite.

Em que é relevante essa crônica? Depende da vida que se leva, não? Você se identifica? Se sim, certamente, se lembrará de algum fato curioso proporcionado pelo relógio de ponto. Ou, como antigamente, o cartãozinho assinado ou furado.

Parece mesmo história antiga: a história do controle humano sobre o fazer social. Quantos vivem só para isso? Quantos não conseguem mais viver sem isso? São pontos ambulantes que aguardam apenas as contas pagas no fim do mês. Sobrevida.

Não sonham. Não desejam. Simplesmente, seguem.

Cada ponto do relógio é uma história de vida que construímos nos lugares que julgamos como nossos ‘lares’. Alguns tratam-no melhor do que seu próprio lar.

Chegamos a um lugar onde colegas de trabalho se tornam nossas ‘famílias’, enquanto que nossos entes são apenas estranhos para nós.

Exagero?

A pandemia nos escancarou isso. Enlouquecemos porque convivemos com nossos familiares e quantos se nos transformaram em inimigos com quem dormimos sem saber?

E aqueles que não puderam ficar em casa protegidos, por que o relógio ali está julgando seu trabalho, julgando seu valor, julgando seu merecimento?

Eu sou um desses. O meu valor sou eu que me dou, porque o relógio é incapaz de pensar de forma flexível; prefere me ver no limite da esperança que morre um pouco mais a cada dedo batido.

Meu trabalho não provoca, não inspira, não transforma. Não porque não seja uma excelente profissional na minha área, mas porque não estou entre os escolhidos cujo deus do ponto abençoa com um salário digno e que não precisa prestar-lhe contas porque está sublimado.

Lá vou eu correndo pra bater o ponto.

No caminho, pensamentos soltos a alimentar uma vaga vontade de rebeldia: arrancar o relógio da parede e defenestrá-lo do andar mais alto desse prédio para que não possa ser consertado. Então, pelo menos enquanto outro não for colocado em seu lugar, eu serei livre.

--

--